Vacina de células dendríticas aumenta em estudo clínico a sobrevivência ao cancro do cérebro

Se Moisés hoje subisse de novo ao Sinai, bem poderia receber um 11º Mandamento: “Não desistirás de procurar uma cura para o cancro”. E se não existe mais o Profeta, existem pelo menos outros Sinais que nos inspiram de boas-novas. Foram afinal investigadores do Centro Médico de Cedars-Sinai que nos últimos dias deram a conhecer os primeiros resultados de um estudo clínico de Fase I com uma vacina de células dendríticas para o tratamento de cancro do cérebro. A média de sobrevivência com este tratamento foi de 38,4 meses, um período significativamente maior do que os típicos 14,6 meses de sobrevivência de pacientes diagnosticados com glioblastoma tratados com o tratamento convencional (radiação e quimioterapia). A média de sobrevivência sem progresso da doença (sem recidiva) foi de 16,9 meses, contrastando com os 6,9 meses do tratamento padrão.

O estudo incluiu 16 pacientes recentemente diagnosticados. No acompanhamento posterior, 6 pacientes (38%), 49 a 66 meses após o tratamento, não mostraram evidências de recidiva e mantiveram-se livres da doença. “A vacina destina-s a alertar o sistema imunológico para a existência de células de cancro e ativar uma resposta que foque a destruição do tumor. Também focamos células que acreditamos serem geradoras e perpetuadoras do cancro” diz Keith L. Black, professor em Cerars-Sinai, diretor do Cochran Brain Tumor Center e diretor do Maxine Dunitz Neurosurgical Institute, onde a vacina foi desenvolvida e estudada.

A última versão da vacina (ICT-107) tem como alvo seis antigénios envolvidos no desenvolvimento das células de glioblastoma. Todos os pacientes têm pelo menos 3 dos antigénios, sendo que 74% dos tumores têm todos os seis. Os investigadores também encontraram evidências que a vacina ataca algumas células estaminais do cancro do cérebro, consideradas a fonte original das células de cancro. Estas células parecem permitir aos tumores resistirem à radiação e à quimioterapia e até regenerar após o tratamento. Acredita-se que destruir essas células possa aumentar as possibilidades de destruir o tumor e prevenir a sua recidiva.

O primeiro estudo clínico de Fase I com uma vacina de células dendríticas desenvolvido em Cedars-Sinai aconteceu em Maio de 1998. Com os resultados observados neste último estudo utilizando a última versão da vacina, o estudo progrediu para um ensaio clínico de Fase II. As admissões para este estudo deverão estar completadas em Setembro de 2012.

As células dendríticas são as células apresentadoras de antigénio mais poderosas do sistema imunológico. São as responsáveis por ajudar o sistema imunológico a reconhecer invasores. Para o tratamento são produzidas a partir dos glóbulos brancos retirados a partir de uma coleta de sangue do paciente. Em laboratório, as células são cultivadas juntamente com péptidos dos 6 antigénios, o que representa treinar as células dendríticas a reconhecer os antigénios do tumor e mobilizar uma resposta dos sistema imunológica para destruir essas células. Após essa cultura em laboratório as células são reintroduzidas no organismo do paciente.

A esperança é que nenhum obstáculo de ordem formal, financeira ou de outra natureza, se oponha ao progresso de um tratamento que começa a gerar resultados cada vez mais claros da sua eficácia. Uma das claras vantagens é a sua inexistente toxicidade quando comparado com os tratamentos convencionais, embora ainda apresente significativas limitações. Esperemos que em breve possamos cada vez mais optar por mais do que um tratamento, quiçá gravado assim em pedra na forma de um 12º Mandamento: “Não impedirás a escolha de tratamento ao cidadão”.

 

Referências:

http://www.springerlink.com/content/n0018574g9m4v587/

http://www.sciencedaily.com/releases/2012/08/120815093108.htm

4 responses to “Vacina de células dendríticas aumenta em estudo clínico a sobrevivência ao cancro do cérebro

  1. De fato a ignorância existe e é Humana…e há sempre quem se aproveite disso… Vejam lá se divulgam…ou se pelo menos têm a curiosidade em saber como é que a Medicina Natural (Celular)… já resolve 100% dos casos de cancro com recuperação total!!!!…em Pacientes que não são submetidos a Quimio… As “vossas” c. dendríticas são apenas um “bombonzinho” para esta patologia… Se aplicassem as verbas e receitas que recebem para as vossas “pesquisas” …em pesquisas e aprofundamento dos tratamentos Naturais…aí sim…já estaríamos bem mais avançados e até essa e outras doenças já estariam EXTINTAS na Humanidade…

    Abraço
    Oceano
    Consultor Naturologista de Medicina Celular

  2. e mais…Só na minha atividade…já são DOIS os Pacientes com recuperação Espetacular de Tumores do Cérebro de elevada malignidade e inoperáveis…Duas Crianças…Com recuperação certificada pela Instituição oficial das doenças oncológicas…Sem Fármacos!…Sem radio…sem Quimio…sem cirurgia…e com diagnóstico inicial de máximo 6 meses de Vida… Rídículos!!!!… que preferem continuar com a cabeça no escuro em vez de HUMILDEMENTE satisfazerem a curiosidade em saberem como funciona a Medicina Natural … como a Natureza SABE tratar…

    Um Abraço

    • olá oceano,fui operada há 4 anos á mama e agora os marcadores tumorais dos ossos estao altos.Recusei fazer Tac e centigarfia ossea e resolvi seguir alimentaçao e um homeopata velhinho que curou o meu sogro há 18 anos .As dores desapareceram mas o médico pediu uma pet ,ainda nem sei se vou fazer.Gostava de poder falar consigo um bocadinho sobre este assunto,obrigada
      ana

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s