Inflamação e Telomerase: dois aliados do cancro

As células de cancro são astutas. Aproveitam-se de todos os mecanismos biológicos disponíveis em seu próprio proveito. Mecanismos que são utilizados para o equilíbrio do organismo são explorados por estas células e orientados para os seus interesses particulares. A inflamação é um exemplo disso mesmo. Enquanto mecanismo de resposta do sistema imunitário perante uma lesão ou infeção, permite reparar os tecidos danificados e controlar uma potencial infeção destruindo os agentes patogénicos que se encontrem no local. Trata-se de um processo sem o qual não sobreviveríamos. No entanto, o cancro aproveita-se das várias substâncias químicas produzidas durante o processo e deleita-se com o banquete de moléculas que lhe permitem progredir e desenvolver-se. A inflamação crónica é por isso um requisito do qual dependem as células de cancro para proliferarem.

Um outro mecanismo é igualmente aproveitado por estas oportunistas células. Trata-se da ação de uma enzima, a telomerase, a qual tem como função manter a integridade das extremidades dos cromossomas, conhecidas como telómeros. Estas estruturas são constituídas por fileiras repetitivas de ADN não codificante. Cada vez que a célula se divide os telómeros são encurtados. Quando atingem um tamanho mínimo crítico a célula perde a sua capacidade de divisão. Os telómeros funcionam como um protetor para os cromossomas assegurando que a informação genética seja copiada com perfeição quando a célula se duplica. O ciclo de vida de uma célula é assim determinado pelo comprimento dos telómeros e o seu progressivo encurtamento em cada divisão celular. A presença da telomerase garante que a célula mantenha a sua capacidade de divisão indefinidamente e as células de cancro exploram esse mecanismo para obterem assim a sua característica imortalidade. Enquanto na maior parte das células somáticas a enzima não se encontra ativa, em cerca de 90% de todos os cancros a telomerase encontra-se ativa. Uma vez que estas células dependem da enzima para sobreviverem, podemos dizer que são “viciadas em telomerase“.

O que ainda não era conhecido era a relação entre a expressão da telomerase, característica das células de cancro, e a ativação de mecanismos inflamatórios. Um estudo recente pela primeira vez deteta haver uma interação entre esta enzima e processos inflamatórios através da ação reguladora do fator de transcrição NF-kB. O estudo revela que a telomerase regula diretamente a produção de moléculas inflamatórias que são expressas pelo NF-kB. Estas moléculas são críticas para a inflamação e a progressão do cancro. Quando os investigadores inibiram a expressão de telomerase em células de cancro, descobriram que a expressão de IL-6, uma molécula inflamatória central para o desenvolvimento do cancro, era igualmente afetada. Esta descoberta vem não só confirmar a relação entre a inflamação e o cancro, como sugere uma via potencial de tratamento através da inibição da telomerase afetando assim simultaneamente a capacidade de as células de cancro se dividirem indefinidamente como a inflamação da qual igualmente dependem. O que podemos perceber no mecanismos do cancro é uma relação íntima entre a proteína NF-kB, que regula os processos inflamatórios e a expressão da telomerase presente na quase totalidade dos cancros.

A telomerase tem um papel central na imortalidade das células e na carcinogénese. O facto de estar ativa nas células de cancro e inativa nas células somáticas, representa uma promissora via de tratamento através da sua inibição, uma vez que se consegue atingir as células de cancro e não afetar as saudáveis. Vários estudos têm mostrado a capacidade de interferir na expressão desta enzima através de substâncias químicas presentes naturalmente em certos alimentos:

  • Genisteína (soja): A genisteína é uma isoflavona presente nos feijões de soja. Além de várias propriedades quimiopreventivas, esta substância parece ter a capacidade de inibir a expressão da telomerase através da sua ação epigenética impedindo a transcrição de hTERT, uma unidade estrutural da enzima. Este mecanismo poderá explicar a sua ação antiproliferativa nas células de cancro, uma vez que a divisão celular deixa de ser condicionada na presença de telomerase.
  • EGCG (chá verde): em laboratório, estudos mostram que as catequinas presentes no chá verde induzem a apoptose das células de cancro e inibem a expressão da telomerase. Um estudo sugere que as algumas chávenas de chá verde são suficientes para a EGCG presente no chá inibir a telomerase.
  • Sulforafano (crucíferas): Além de muitas outras propriedades anticancerígenas, o sulforafano, um fitoquímico presente nas crucíferas tais como brócolos e couves, inibe a expressão da telomerase, impedindo a transcrição da hTERT.
  • Glicose (açúcar): Além das células serem viciadas em telomerase, são igualmente dependentes de grandes quantidades de glicose. Vários estudos mostram que poderá haver uma relação entre o consumo excessivo de alimentos com um índice glicémico elevado e o risco de cancro. Da mesma forma, estudos recentes sugerem que parece existir uma relação entre níveis elevados de glicose (açúcar) na dieta de ratos com cancro e uma expressão superior do gene p53 mutante. Níveis elevados deste gene modificado em vários tipos de tumores humanos tem sido relacionado com uma maior agressividade do cancro, resistência à terapia, resultados piores e recidivas. Especificamente em relação à atividade da telomerase, um estudo sugere que a restrição de glicose poderá diminuir o risco de cancro. Os resultados mostraram que a restrição aumentou a expressão do hTERT (ativado nos tumores) e diminui a expressão do p16 (inibido nos tumores), prolongando assim a proliferação e longevidade nas células saudáveis. Pelo contrário, nas células pré-cancerosas houve uma diminuição na expressão do hTERT e um aumento na expressão do p16, contribuindo assim para a sua morte por apoptose.

É de uma complexidade de mecanismos biológicos que se trata quando falamos de células de cancro. Cada vez mais percebemos como inúmeros fatores interagem entre si, numa macabra sinfonia de processos desviados, no sentido de concretizar os desejos de imortalidade e expansão destas células. São igualmente muitos os caminhos que devem ser explorados no sentido de combater a sua evolução. Os alimentos compostos que são de milhares de substâncias naturalmente presentes, fornecem valiosos instrumentos capazes de interferir com muitos desses caminhos. Neste caso, a inflamação e a ação da telomerase mostram ter uma cumplicidade íntima e indispensável para o progresso do cancro. Controlar esses mecanismos através da dieta parece ser uma forma eficaz de prevenção ou mesmo de tratamento complementar do cancro.

Conferência sobre este tema.

Referências:

http://www.a-star.edu.sg/Media/News/PressReleases/tabid/828/articleType/ArticleView/articleId/1742/Default.aspx

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23159929

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15142433

http://preventcancer.aicr.org/site/News2?page=NewsArticle&id=19746

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2423206/

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2995334/

http://cancerres.aacrjournals.org/content/66/4/2107.long

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2435482/

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9712707

http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0011457

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2996891/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s